As Palavras Fugiram: Contos de Quinta #42

O poema de hoje é da Julia Molinari, para mais poemas e contos confiram o blog Brincando com as Palavras ou o Fanfiction Julia Molinari.


Sem sentido



Rotina bruta, fria, crua.

Rotina que me prende, massacra.

Desrespeito, vontade alheia, indiferença.

Energia tomada, voz desperdiçada.

Luz vã, silenciosa.

Luz que ofusca, racha, tortura.

Faróis, lâmpadas, neon, energia.

Onde estão as estrelas?

Expectativas, correções, exigências.

Por acaso isso é vida?

Pressão intencional,

Rotina superficial

Vazio insistente, ingrato.

Gritos, berros, escândalos,

Meu silêncio lacônico habituado.

Marcham máquinas, não homens,

De lábios fechados, peitos lacrados.

Pobres almas perturbadas,

As que lutam contra a caminhada.

Amor ferido, alma rompida,

Fé dizimada,

Fé que nunca existiu.

Mais um dia, mais uma hora,

Mais um amanhecer, um entardecer.

Quem aprecia o pôr do sol?

Rotina má, constante, nua.

Vazio condizente, obediente.

Tenho palavras, caladas.

Tenho dores, discretas.

Tenho sonhos, tantos sonhos!

Não suporto mais ver a luz.



E aí, o que acharam?
Contos de quinta é um espaço para divulgação de contos, poesias, textos em geral de blogueiros e escritores, (talvez um dia eu publique um conto meu, quem sabe? rsrs), Se você quiser ver seu texto publicado aqui é só me contatar por email clicando aqui ou enviando um email direto para aspalavrasfugiram@hotmail.com

0 Comentários:

Menu

Siga o blog

Follow As Palavras Fugiram

Ultimas Resenhas



Skoob

Search

A carregar...

Receba a newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Blogs Parceiros

my dear library


Mais parceiros >>

Editoras Parceiras

Eu participo...

Classificação

Não perca seu tempo

É mais ou menos

Bom

Muito bom!!

Leitura obrigatória ;D

Seguidores