As Palavras Fugiram

Uma empresa 100% nacional: o maior conglomerado editorial da América Latina fala português. Líder no segmento dos não-didáticos, o Grupo Editorial Record mantém a posição apostando em qualidade e diversidade. Desde 1942, quando foi fundada por Alfredo Machado e Décio Abreu como uma distribuidora de quadrinhos e outros serviços de imprensa, conserva a vocação de difundir informação, conhecimento, cultura e entretenimento literário.

Com onze perfis diferenciados — Record, Bertrand Brasil, José Olympio, Civilização Brasileira, Rosa dos Tempos, Nova Era, Difel, BestSeller, Edições BestBolso, Galera & Galerinha — o objetivo é sempre trazer o que há de melhor para o leitor brasileiro.

De seu parque gráfico, composto pelo Sistema Poligráfico Cameron, um moderno equipamento de impressão, único no continente, saem até 100 livros de 200 páginas por minuto. Ficção; narrativas históricas e científicas; ensaios culturais, sociológicos, literários e filosófico; reportagens; romances policiais e de suspense, literatura feminina e quadrinhos fazem parte do variado catálogo do grupo, hoje com mais de 6 mil títulos.

O que vocês acharam da novidade? Gostam dos títulos da editora? Eu estou muito ansiosa pelo começo da parceria, acho que vão rolar muitas resenhas legais esse ano :D

O As Palavras está fazendo três anos! É difícil acreditar que faz assim tanto tempo que comecei tudo isto :)
Quero agradecer a todos os leitores do blog, sem vocês nada disso seria possível e ás pessoas que me incentivaram sempre a continuar a escrever por aqui. Por causa de vocês já chegamos a mais de 500 postagens :D

Claro que para festejar vou lançar algumas promoções, desta vez uma em cada rede social. Vão ser três sorteios independentes: um aqui no blog, um no twitter e um no facebook e no total serão 6 livros sorteados para três sortudos ;)

Deixando de Blablabla aqui vão as regras das promoções:


Autor: Robin Sloan
Título Original: Mr. Penumbra's - 24 hour Bookstore
ISBN: 9788581632483
Páginas: 288
Editora: Novo Conceito
Ano: 2013
Redes Sociais: Skoob; Facebook.
Avaliação:
A recessão econômica obriga Clay Jannon, um web-designer desempregado, a aceitar trabalho em uma livraria 24 horas. A livraria do Mr. Penumbra — um homenzinho estranho com cara de gnomo. Tão singular quanto seu proprietário é a livraria onde só um pequeno grupo de clientes aparece. E sempre que aparece é para se enfurnar, junto do proprietário, nos cantos mais obscuros da loja, e apreciar um misterioso conjunto de livros a que Clay Jannon foi proibido de ler. Mas Jannon é curioso…

Clay Jannon consegue arranjar um emprego ao meio da recessão econômica: ele vai trabalhar numa livraria 24 horas. Ele não entende como a livraria consegue se manter, muito menos aberta tanto tempo com o numero tão diminuto (e estranho) de clientes. Este novo emprego é bem incomum, trabalhar na livraria é bem diferente de ser web designer. Além do mais quando tudo o que ele faz na livraria é feito á mão.

Gostei bastante da maneira que o autor juntou o passado ao presente, vemos antiguidade e as tecnologias mais recentes no mesmo lugar, o passado e futuro de livros, se casando na mesma historia e achei isso bem bacana. Gostei também das referências de ficção cientifica ao longo da leitura.
Mas o livro em si não me prendeu.

A escrita flui bem, a história é interessante e os personagens são bacanas, mas acho que o clímax não me pareceu tão clímax assim. Senti a falta de um auge no livro, de emoção! Ele é bem emocionante, mas se mantêm estável a maioria do tempo. Não consigo explicar direito, acho que na na verdade o autor não conseguiu expressar as emoções dos personagens muito bem, como o interesse romântico do personagem principal no qual ele não parece estar tão interessado assim.

Gostei muito da fonte usada no livro, acho que combinou bastante com a história. A capa é muito bonita e chama a atenção, só acho que poderiam ter traduzido o "Mr. Penumbra" para "Sr.Penumbra", um detalhe minimo que eu acho que deixaria o livro mais adequado á realidade do país, em vez de tentar atrair o publico com estrangeirismos.

Recomendo a leitura, Clay é um personagem interessante, com uma saga favorita e algumas nerdices, como todos nós. Venha conhecer as estantes empoieradas da livraria do Mr. Penumbra :)
Alguém já leu? Quais as opiniões?


Título Original: 1984
ISBN: 9788535914849
Páginas: 416
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2009
Redes Sociais: Skoob.
Avaliação:
1984 é uma das obras mais influentes do século XX, um inquestionável clássico moderno. Publicado em 1949, quando o ano de 1984 pertencia a um futuro relativamente distante, tem como herói o angustiado Winston Smith, refém de um mundo feito de opressão absoluta. Em Oceânia, ter uma mente livre é considerado gravíssimo, pois o Grande Irmão, líder simbólico do Partido que controla a tudo e a todos, “está de olho em você”.
No íntimo, porém, Winston se rebela contra a sociedade totalitária na qual vive: em seu anseio por liberdade e verdade, ele arrisca a vida ao se envolver amorosamente com uma colega de trabalho, Julia, e com uma organização revolucionária secreta.

Com a explosão de livros distópicos que houve o ano passado muita gente esqueceu que esse tema já existia (aliás, muitas décadas) antes de Jogos Vorazes.
Um desses clássicos é 1984, escrito em 1948 e publicado no ano seguinte e são feitas novas edições regularmente, para provar a intemporalidade da obra.

É impressionante como 1984 influenciou a sociedade até aos dias de hoje, o exemplo mais obvio disso é o Big Brother que existe no livro e se tornou nome de reality show.
A população em 1984 é sempre vigiada por câmeras escondidas e controlada pela policia das ideias. O pensamento é crime que leva a morte. A lealdade cega e amor ao governante O Grande Irmão.

É um livro impactante que nos leva a pensar no conceito de liberdade, de humanidade e de valores morais.
O autor foi criativo o suficiente para criar um novo idioma (novafala, a unica lingua que tem menos palavras a cada ano, feita para restringir o pensamento es expressão das pessoas) e o conceito de duplipensamento (aceitar simultaneamente duas crenças contraditórias como corretas) ao enquanto escreve realisticamente e você consegue imaginar o mundo chegando naquele estado.


É um livro denso e repleto de criticas, a escrita pode assustar um pouco a quem gosta mais de leituras leves, mas não deixe de lê-lo apenas porque acha a leitura cansativa, é realmente um ótimo livro, arrisque-se a terminar a leitura.

Recomendo a todos, me fez rever o meu conceito do que define um ser humano e os limites da força de vontade das pessoas. Alguém já leu? Quais as opiniões?


Para ver a página do Skoob dos livros basta clicar nas capas:



Mago Mestre, continuação de Mago aprendiz, primeiro livro da editora lançado no Brasil.

Tigana conta a história de uma nação oprimida que luta para se libertar depois de cair nas mãos de conquistadores implacáveis.

Autor: Art Spiegelman
Título Original: Maus
ISBN: 9788535906288
Páginas: 295
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2009
Redes Sociais: Skoob.
Avaliação:
Maus ("rato", em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu-polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, Maus ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura. A obra é um sucesso estrondoso de público e de crítica. Desde que foi lançada, tem sido objeto de estudos e análises de especialistas de diversas áreas -história, literatura, artes e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as duas partes reunidas num só volume. Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. Spiegelman, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. É implacável com o protagonista, seu próprio pai, retratado como valoroso e destemido, mas também como sovina, racista e mesquinho. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável.

Maus conta a história de um judeu polonês sobrevivente do holocausto, desenhada por seu filho, Art. A história é contada de uma maneira bem diferente de outras história sobre o tema, além de ser uma HQ (desenhada em quadrinhos) também representa as pessoas como animais: judeus como ratos, nazistas como gatos, poloneses como porcos e americanos como cachorros - inclusive Maus significa rato em alemão.


A narrativa pula de Art conversando com o pai no "presente" até aos flashbacks, quando o pai começa a contar o que aconteceu no seu passado, indo desde como conheceu a mãe de Art até ao final da guerra. No "presente" (quado Art está escrevendo o quadrinho) a história abrange também o relacionamento pai-filho e as suas complicações.

Maus não é um livro idealizado, o autor tenta deixar tudo o mais real possível, ele se indaga várias vezes ao longo do quadrinho se estaria fazendo a coisa certa, pois talvez essa não seja um história para ser contada em quadrinhos, talvez ele esteja sonhando alto demais...

Todo esse realismo valeu a Maus o prêmio Prêmio Pullitzer em 1992, um prêmio entregue aos melhores trabalhos de jornalismo, ganho pela primeira vez por uma graphic novel. Maus começou a ser publicado em 1980 e terminado em 1991, inicialmente era dividido em três volumes, mas atualmente é vendido em um só livro com a história completa.

Maus é um relato real, trágico e impactante que vem emocionando desde a sua primeira edição até aos dias atuais. Foi uma história que me tocou imenso, e não só por ser uma "história triste" (como seriam tantas outras) do holocausto como também pela relação que Art tem com o pai, e como ele consegue demostrar tudo isso em desenhos - se torna único.

Apenas uma curiosidade: Achei na na web a critica de Maus publicada em 1987 no jornal Estado de S. Paulo, quem quiser dar uma olhada é só clicar aqui.

ADEMIR PASCALE é paulista, escritor e ativista cultural. Em suas participações em mais de 40 livros atuou como autor, coautor, editor e organizador, sendo um dos seus mais recentes trabalhos publicados na França, no livro "Nouvelles du Brésil". Lançou no final de 2013 a série “Caçadores de Demônios”, literatura fantástica que está sendo disponibilizada gratuitamente em e-book através de download e em diversos formatos, no site Fantastiverso. A ideia visa atingir o máximo possível de leitores, no Brasil e no exterior, expandindo ainda mais a literatura nacional. Pascale concorreu ao prêmio Codex de Ouro como Autor Revelação 2011, juntamente de André Vianco, Adriano Siqueira e Eduardo Spohr.


Sempre gostou de escrever ou é um talento descoberto recentemente?
Tudo começou na leitura, pois sempre gostei de ler. Quando tinha três ou quatro anos, olhava as figuras dos quadrinhos tentando imaginar o que eles diziam naqueles balões. Aos 13 anos já escrevia alguns contos. Como escritor de romances e novelas, iniciei mesmo em 2005.

Como surgiu a ideia para os temas dos seus livros?
É algo que surge de repente e geralmente pouco antes de dormir. A ideia surge como um relâmpago :)

O que mais o inspirou?
Poderia citar uns dois ou três fatos, mas o que mais me inspirou mesmo foram as histórias que meu pai contava antes de eu ir dormir.

Fale um pouquinho sobre o seu ultimo livro :)
Na realidade é uma série, intitulada “Caçadores de Demônios”. Serão 4 e-books, sendo o 1°, que já está publicado no site Fantastiverso “Antonio Spadoni e os Caçadores de Demônios”. O 2° e-book também foi publicado recentemente, intitulado “Laila e os Caçadores de Demônios” e o 3° será publicado até o final deste mês, intitulado “Rafael e os Caçadores de Demônios”. O último e-book será com informações adicionais sobre os personagens e sobre a criação da série. Todos os 3 e-books são interligados, mas podem ser lidos separadamente. Para baixar, basta acessar a página: Fantastiverso e escolher o melhor formato: ePub, PDF ou mobi. Mas não é só isso, estou trabalhando arduamente no romance “Caçadores de Demônios” e pretendo encontrar uma editora que o publique, o que acredito que não será difícil, pois só estou recebendo boas críticas na apresentação dos personagens nestes e-books que estou disponibilizando gratuitamente.

Foi necessária muita pesquisa para desenvolver seus livros?
Sim, todos os livros exigem pesquisa, uns mais, outros menos. Mas todos os dias faço minhas pesquisas, seja na maneira como as pessoas agem, como em noticiários, livros, etc.

Dos personagens que você criou, qual seu favorito?
Ah, acho o Antonio Spadoni. Um padre maduro e duro na queda. Sua principal atividade é caçar demônios, então imagina como é a vida desse homem...(rs).

Quais os seus autores favoritos?
Meus autores favoritos são Edgar Allan Poe, Oscar Wilde, Umberto Eco, Anne Rice e alguns novos nacionais que estão mostrando muito talento.

O que acha dos blogs e sites literários?
Indispensáveis na vida dos leitores e nós escritores :) Fico muito feliz em ver essa turma tão jovem lendo tantos livros.

O que é fundamental para escrever um livro? Dê um conselho aos futuros autores ;)
Inspiração, força de vontade e disciplina são fundamentais. Escrever, reler e curtir o que você escreveu, já é o primeiro passo ;)


Caso queiram saber mais sobre o trabalho na do autor, basta acessar o seu blog pessoal O Desejo de Lilith ou nas redes sociais Twitter e Facebook.

Menu

Siga o blog

Follow As Palavras Fugiram

Ultimas Resenhas



Skoob

Search

A carregar...

Receba a newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Blogs Parceiros

my dear library


Mais parceiros >>

Editoras Parceiras

Eu participo...

Classificação

Não perca seu tempo

É mais ou menos

Bom

Muito bom!!

Leitura obrigatória ;D

Seguidores