As Palavras Fugiram: Contos de Quinta #43


O poema de hoje é da Julia Molinari, para mais poemas e contos confiram o blog Brincando com as Palavras ou o Fanfiction Julia Molinari.


Alma de poeta


Quando a tristeza passar,

Faltarão palavras.

Quando a angústia sumir,

Poesias não hão mais de vir.

Quando o vazio acabar,

Não haverão mais histórias trancadas.



Enquanto escorrer rubro sangue

Da ferida que arde e não cicatriza,

Enquanto encravarem-se espinhos,

Os mais terríveis, vindos de um amado,

Minha alma me martiriza,

Sinto o espírito gelado,

E surge a necessidade de contos,

No papel rabiscados.



Vivo num desejo inconstante.

Num paradoxo incessante.

De encontrar um fim para o sofrimento,

E desaparecer minha maior expressão,

A forma de mostrar que existo,

Matar minha alma de poeta.





E aí, o que acharam?
Contos de quinta é um espaço para divulgação de contos, poesias, textos em geral de blogueiros e escritores, (talvez um dia eu publique um conto meu, quem sabe? rsrs), Se você quiser ver seu texto publicado aqui é só me contatar por email clicando aqui ou enviando um email direto para aspalavrasfugiram@hotmail.com

0 Comentários:

Menu

Siga o blog

Follow As Palavras Fugiram

Ultimas Resenhas



Skoob

Search

A carregar...

Receba a newsletter

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Blogs Parceiros

my dear library


Mais parceiros >>

Editoras Parceiras

Eu participo...

Classificação

Não perca seu tempo

É mais ou menos

Bom

Muito bom!!

Leitura obrigatória ;D

Seguidores